:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

Mais de 500 pessoas lotaram, durante todo o dia, a Vara do Júri e Execuções Penais da Comarca de Teixeira de Freitas para ver o julgamento de Ismael de Jesus Morais, 30 anos, assassino confesso da adolescente Cassiane Lima.

O julgamento começou pouco antes das 9h da manhã de segunda-feira (4/12), sendo presidido pelo juiz Argenildo Fernandes. A frente da acusação esteve o promotor do Ministério Público, Gilberto Ribeiro Campos, e seu assistente, o advogado Leandro Murça. Ismael contou com o defensor público Hamilton Souza de Almeida, e seu assistente Emerson Harvey. O júri foi composto por sete pessoas, das quais cinco são mulheres.

Às 0h30 desta terça-feira (5/12) o juiz Argenildo proferiu a sentença de 22 anos e meio de reclusão em regime fechado. A defensoria já entrou com recursos para reduzir a pena. Cientes da dor eterna da perda precoce da linda Cassiane, sua família se abraçou emocionada ao ouvir a sentença.

Para a defesa, que arguiu sobre “homicídio privilegiado e lesões corporais sem grande mote”, a sentença foi injusta, por isso, recorreu e espera que haja redução. “Era uma morte, mas, não uma morte decorrente de homicídio. Mas, lesão corporal seguida de morte, homicídio privilegiado”, disse o defensor Hamilton Souza, explicando que a defensoria pública somente assumiu o caso quando foi acionada pra fazer a defesa dele, posto que está na constituição tal direito a defesa.

O assistente de defesa confessou que ficou surpreso com a sentença, “imaginava que conseguíssemos algum benefício para o acusado, mas, o júri agiu conforme a acusação quis, as qualificadoras foram passadas e ele teve essa condenação”, pontua.

A defensoria trabalhou a tese primária de que fora lesão corporal seguida de morte, apoiando-se na tese subsidiária de homicídio privilegiado, quando, de acordo à literatura jurídica, se é praticado sob o domínio de uma compreensível emoção violenta, compaixão, desespero ou motivo de relevante valor social ou moral, que diminuam sensivelmente a culpa do homicida.

No caso de Ismael Morais, a defesa sustentou a tese de que ele agiu dominado por avassaladora emoção devido às provocações injustas feitas pela vítima, uma vez que o réu alegou ter sido humilhado e chamado de ladrão por Cassiane. A defesa, por fim, ainda tentou retirar as qualificadoras, tudo sem sucesso.

O Ministério Público acredita que Ismael cometeu homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. As qualificadoras citadas pelo advogado Emerson Harvey são: motivo fútil, asfixia e emprego de recursos que dificultaram ou impediram a defesa da vítima.

Promotor Gilberto Campos declarou: “Justiça foi feita, magistrado aplicou uma sentença de acordo aquilo que nos temos nas provas dos autos, que foi demonstrado perante o conselho de sentenças, que foi bastante justo com relação à prova produzida”.

O juiz Argenildo não pode comentar o caso e a família preferiu falar rapidamente a uma equipe de TV somente.

 

Por: Vida Diária/O Sollo

Matéria Relacionada:

Teixeira de Freitas: Acusado de matar Cassiane vai à júri popular nesta segunda (04)

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notácia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.

CNA
carnesSP
Exata
Lekao
GIL Academia

POPULARES Mais acessadas na semana