:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

O presidente Michel Temer determinou o afastamento de quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal, por 15 dias, para que apresentem defesas sobre denúncias feitas pelo Ministério Público Federal (MPF), informou o Palácio do Planalto em nota nesta terça-feira.

A decisão ocorreu após reunião do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, com o presidente da Caixa [CAIXA.UL], Gilberto Occhi, mais cedo nesta terça-feira. Segundo fonte ouvida pela Reuters , o próprio BC pediu a destituição de vice-presidentes do banco estatal.

Quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa, além de Occhi, estão sendo investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. O pedido de afastamento dos dirigentes foi feito em dezembro e assinado pelas forças-tarefas das operações Greenfield, Cui Bono e Sépsis, as duas últimas derivadas da primeira.

Os vice-presidentes citados nas investigações são: Deusdina Pereira, de Fundos e Loterias; Roberto Derziê de Santana, de Governo; Antonio Carlos Ferreira, Corporativo; e José Henrique Marques da Crus, de Clientes, Negócios e Transformação Digital.

Até semana passada, Temer vinha se recusando a afastar executivos do banco.

O diretor de Fiscalização do Banco Central (BC), Paulo Sérgio Neves de Souza, enviou na quarta-feira passada um ofício à presidente do Conselho de Administração da Caixa, a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, em que recomendou o afastamento de vice-presidentes do banco após uma apuração independente e outra feita pelo MPF terem descoberto uma série de irregularidades em procedimento internos da instituição, segundo documentos de um processo judicial a que a Reuters teve acesso.

No documento, de três páginas, o diretor do BC menciona que o relatório independente, redigido pelo escritório de advocacia Pinheiro Neto, e notícias da imprensa mencionaram fatos "desabonadores" em relação aos vice-presidentes da Caixa.

O texto cita ainda que a legislação determina que o presidente e diretores de instituições financeiras públicas federais, como a Caixa, "deverão ser pessoas de reputação ilibada e notória capacidade".

O ofício destaca ainda que, conforme o Conselho Monetário Nacional (CMN), há "rigorosas condições" a serem observadas pelo BC na aprovação de nomes para o exercício de cargos em instituições públicas.

Essa recomendação do BC é semelhante ao ofício encaminhado pelo MPF em Brasília a Temer em que reforçou nesta terça-feira comunicação para que ele destitua vice-presidentes da Caixa sob pena de ele próprio ser responsabilizado na Justiça.

Os procuradores da República afirmam que o prazo final para acolhimento da sugestão, de trocar os vices e escolher novos por processo seletivo idôneo, é o dia 26 de fevereiro e que, se isso não ocorrer, poderá haver implicações a Temer.

Procurada, a Caixa não se manifestou sobre o assunto.

 

 Por: Vida Diária/Portal Terra

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notácia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.

POPULARES Mais acessadas na semana