:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

O dólar abriu a semana em baixa ante o real, seguindo o movimento da moeda no exterior em meio a otimismo com a retomada das economias, mas a divisa fechou a uma distância das mínimas, em meio a receios sobre segunda onda de casos de covid-19 no mundo.

O dólar à vista caiu 0,86% nesta segunda-feira, e fechou a R$ 5,2722 na venda. As oscilações ao longo do dia continuaram expressivas. Na máxima, a cotação caiu apenas 0,39%, a R$ 5,2977, e na mínima cedeu 2,25%, para R$ 5,1985.

Na B3, o dólar futuro tinha queda de 1,08%, a R$ 5,2610, às 17h28. O dólar registrava firmes perdas contra dólar australiano, peso mexicano e lira turca, divisas que se beneficiam de momentos de maior apetite por risco. O índice do dólar frente a uma cesta de rivais de mercados desenvolvidos caía 0,62% no fim desta tarde.

Outros ativos de risco também se valorizaram, assim como os mercados de ações em Nova York. Apesar do recente salto em casos de coronavírus nos EUA e algumas partes da Europa, além de China e Coreia do Sul, investidores parecem se concentrar mais em 2021 e na perspectiva de que os balanços das empresas venham melhores passado o pior momento da crise de saúde e econômica.

Mas, no Brasil, analistas apontam que o câmbio segue demasiadamente dependente de fatores externos para algum alívio.

Fernando Bergallo, sócio da FB Capital, chama atenção no plano local para a constante incerteza política. "Nosso cenário político está no pior momento desde o início do governo Bolsonaro. A história do Queiroz ainda pode render muito. É algo que deixa o mercado mais cauteloso", disse.

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, foi preso na manhã de quinta-feira (18) em Atibaia (SP), em imóvel que pertence ao advogado Frederick Wassef, segundo o Ministério Público de São Paulo. Wassef anunciou no domingo que estava deixando a defesa do filho do presidente Bolsonaro. Ele já representou o presidente da República, é próximo da família Bolsonaro e era visto com frequência no Palácio do Planalto, em Brasília.

"Difícil pensar que no atual patamar o dólar está estabilizado. Estamos sem bússola. A oscilação está forte todo o dia. E com o cenário interno frágil ficamos suscetíveis a uma virada de humor lá fora", acrescentou Bergallo.

O Goldman Sachs lembra que, apesar de ter deixado os patamares perto de 6 por dólar vistos em meados de maio, o real ainda é a moeda com pior desempenho em 2020.

A divisa brasileira perde 23,89% no ano ante o dólar, segundo dados da Refinitiv. Para o Goldman Sachs, muito dessa fraqueza é justificável, em meio à forte contração do PIB, contínuas dificuldades do país ao lidar com o covid-19, tensões em curso entre Executivo e Judiciário e possibilidade de novos cortes da Selic.

Isso tudo torna o real uma "combinação não atraente de elevados riscos domésticos e baixo retorno", disseram os profissionais do banco norte-americano em nota.

 

Por: Vida Diária / Agência Brasil

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notácia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.

MercadoSul
CNA
carnesSP
Exata
Lekao
GIL Academia