:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

Incêndio atinge igreja matriz da cidade de Monte Santo, na Bahia

Um incêndio atingiu a igreja matriz da cidade de Monte Santo, a cerca de 360 quilômetros de Salvador, na madrugada deste sábado (20).

De acordo com informações do secretário de Agricultura, Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Ordem Pública, Zeliomar Almeida, o fogo começou por volta das 3h. Segundo ele, inicialmente os moradores tentaram apagar as chamas e usaram carros-pipas.

Os voluntários também atuaram no início do incêndio com a retirada de bancos de madeira e imagens sacras. Ainda de acordo com Zeliomar, o fogo atingiu a sacristia, cortinas e o teto da igreja. Parte do material litúrgico foi destruído. Não tinha ninguém no templo religioso quando o incêndio começou.

Segundo o secretário, quando o fogo foi controlado, parte da igreja já havia sido destruída. Os bombeiros chegaram por volta das 7h30 deste sábado e fazem o rescaldo do incêndio para evitar que o fogo recomece.

A cidade de Monte Santo é distante da sede dos Bombeiros, que fica em Senhor do Bonfim, a 125 quilômetros do município.

A casa paroquial, onde mora o padre, fica ao lado da igreja, mas não foi atingida. O pároco, de prenome Mauro, acompanhou todo o trabalho de combate ao fogo. Na noite de sexta-feira (19), houve atividade religiosa no templo por causa das celebrações da Semana Santa.

O secretário informou ainda que os párocos da igreja vão registrar o incidente na delegacia e solicitar uma perícia para saber onde começou o fogo.

 

Por: Vida Diária / G1

Vaner Vinhos promoverá a Grande Harmonização; o evento contará com um delicioso churrasco na brasa

Teixeira de Freitas, 21 de abril: Mais um evento de “dá água na boca” acontecerá em Teixeira de Freitas! Vaner Vinhos convida a todos para a Grande Harmonização, uma festa que unirá uma boa apreciação de vinhos até uma deliciosa carne assada.

Nesse encontro, está confirmado como assador o Chaves Braseiro, que virá diretamente de Arraial D’ajuda (Porto Seguro) para fazer aquele delicioso churrasco de chão.

 

O evento acontecerá no dia 18 de maio, às 19h, no Rancho Gool. O ingresso custará R$ 120,00 por pessoa, na chegada cada apreciador de vinhos receberá uma garrafa da bebida.

Venha participar de mais uma grande apreciação de vinhos com Vaner Benetti, sommelier com qualificação profissional internacional. Adquira sua entrada através do número (73) 9 9991-9921.

 

Por: Vida Diária / Robson Dias

PETIT VERDOT: A ESPETACULAR DESCONHECIDA

Existem mais de 10 mil espécies de uvas no mundo, entre viníferas e labruscas, sendo que cerca da metade, 5 mil, são viníferas e entram na produção de vinho finos. Neste enorme universo de espécies, existem aquelas que mais se destacam, seja em função da tradição no plantio, pela qualidade dos vinhos elaborados com as mesmas ou ainda pelo marketing. Podemos citar: Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Pinot Noir, Malbec, etc, além das brancas Chardonnay, Sauvignon Blanc e a Riesling, sendo esta última não tão conhecida. Alguns dos vinhos mais famosos do mundo são das uvas Cabernet Sauvignon e Merlot, em especial os produzidos na França, na região de Bordeux. O corte destas duas espécies é conhecido como Bordalês. Mas neste blend também podem fazer parte outras uvas, que entram em pequenas quantidades, seja para agregar ao vinho cor, acidez ou taninos. Entre elas, temos: Petit Verdot, Cabernet Franc, Malbec e Petit Verdot. Vamos falar um pouco desta uva não muito conhecida, a Petit Verdot.

A palavra Petit Verdot significa “verde pequeno”. Esse nome se deu em função de um problema que os produtores de Bordeux enfrentavam com relação a esta uva. No clima de Bordeux, as uvas não tinham um bom desenvolvimento e não amadureciam corretamente, ficando pequenas e verdes.

Acredita-se que esta espécie tenha sido plantada na região pelos romanos, antes mesmo da Cabernet Sauvignon, mas poucas são as informações desta pequena notável. Atualmente é mais cultivada em países de clima mais quente. Estados Unidos, Argentina, Brasil, Chile, Itália e Espanha. Nos EUA aparece mais na Califórnia e na Itália, na Sicília.

 

É uma casta de casca grossa e rica em antocianinas, substância que dá a cor aos vegetais. Por essa qualidade, é muito usada para trazer uma cor mais viva aos vinhos, entrando como um complemento no corte. Outra característica é a presença de taninos e também a acidez, que também são qualidades que permitem aos produtores a usarem para agregar estas características a outros vinhos.

Ainda não muito usada nos vinhos varietais (onde se usa apenas uma casta ou um percentual menor de outra espécie), a Petit Verdot começou a aparecer no mercado a pouco tempo e já se mostra com vinhos bem interessantes. Os aromas que se destacam são os florais e frutados. São vinhos com ótima estrutura, pois como disse, essa espécie é rica em taninos.

Deixo como sugestão o Petit Verdot da vinícola Dom Cândido. Um varietal da linha Autentico desta vinícola, que também oferece o Merlot e o Cabernet Sauvignon. Vinhos com excelente custo beneficio e muito bem produzidos. Amadurece em barris de carvalho francês por 5 meses e traz aromas intensos de frutas vermelhas e negras como amora, cereja, framboesa. Também apresenta toques florais, assim como de especiarias.

Experimente a Petit Verdot. Será mais uma excelente experiencia no mundo do vinho.

 

Vaner Benetti

Sommelier FISAR/WSET 1

Em rede social, Bolsonaro diz que ‘com reforma, quem ganha menos pagará menos’

O presidente Jair Bolsonaro postou mensagem na sexta-feira em sua conta do Twitter, sobre a reforma da Previdência. No post, Bolsonaro defende que a reforma garantirá que "quem ganha menos pagará menos e quem ganha mais pagará mais". Ele também cita serviço disponível na página do Ministério da Economia que faz o cálculo da aposentaria. 

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes , disse na quarta-feira que o governo está preparado para ceder em pontos da reforma da Previdência . Ele não detalhou, porém, que aspectos do texto poderiam ser alterados porque, segundo ele, isso faz parte da estratégia de negociação para aprovar a proposta. Já o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, confirmou que o governo aceitou negociar pontos da reforma da Previdência para facilitar a aprovação do texto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Originalmente, a votação da reforma na CCJ estava prevista para a última quarta-feira, dia 17, mas foi adiada para a próxima semana.

“Tivemos uma primeira conversa com membros de vários partidos, que têm algumas restrições ao projeto como ele se encontra. Iniciamos um diálogo, mas não existe meio acordo. O acordo tem que ser feito por inteiro. Vamos continuar a conversar”, declarou o secretário.

 

Por: Vida Diária / OGlobo

Licença-menstruação é defendida em projeto de lei

Um projeto de lei na Câmara dos Deputados, em Brasília, defende uma proposta interessante: dar uma folga para mulheres que estejam menstruadas.

O texto diz o seguinte: "A empregada poderá ser afastar do trabalho por até (três) dias ao mês, durante o período menstrual, podendo ser exigida a compensação das horas não trabalhadas". Ou seja: menstruou, folgou, compensou.

O projeto é de autoria do deputado federal Carlos Bezerra (MDB-MT), ex-governador do Mato Grosso. Apesar de ainda ter um longo caminho até ser aprovado, o PL já foi enviado para a Comissão em Defesa do Direito da Mulher na Câmara.

 

Licença existe em alguns países, mas tabu atrapalha

A ideia é inspirada em uma empresa britânica que já oferece esse tipo de licença. Por lá, elas podem ir para casa em caso de cólicas ou outros incômodos relacionados à menstruação que você deve conhecer: inchaço, enjoo, diarreia e por aí vai.

Os patrões britânicos decidiram por não colocar um dia fixo no mês para essa licença para não associar o período a uma doença, mas a um tempo para as mulheres respeitarem e valorizarem o próprio corpo.

Em países asiáticos, como a Coreia do Sul, a licença-menstruação existe há ao menos uma década. No Japão, a lei data da década de 40, em uma tentativa de preencher a lacuna deixada no mercado de trabalho após a Segunda Guerra Mundial.

Um estudo do governo do Reino Unido, publicado no ano passado, mostra que as dores da menstruação foram o principal problema relacionado à saúde reprodutiva nos 12 meses anteriores à pesquisa. A questão foi mais citada do que problemas relacionados ao sexo e sintomas da menopausa.

As entrevistas, porém, esbarram em um dilema: as mulheres não falariam sobre o assunto no trabalho, por vergonha ou receio de sofrerem preconceito. Uma das entrevistadas chegou a comparar o esforço de trabalhar com dores a de um soldado em guerra.

Outro estudo feito por uma ONG na Austrália, em 2016, apontou que 58% das australianas e mulheres de outros países disseram que um dia de folga durante o período menstrual aumentaria a produtividade durante todo o mês. Mais de 3,4 mil mulheres responderam a um questionário para discutir o tema.

No projeto de lei brasileiro, escrito em 2016, o deputado argumenta que a produtividade da mulher cai devido a cólicas, inchaços nas pernas, enjoo, diarreia e outras questões relacionadas ao ciclo, com base em levantamento de uma consultoria de saúde.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido. O PL precisaria entrar na pauta da comissão, ser votado e enviado ao plenário da Câmara. E você, o que acha?

 

Por: Vida Diária / UOL