:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

Mucuri, 04 de junho: Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente – celebrado em 5 de junho – a Suzano faz um balanço dos resultados do Programa de Restauração Ambiental que a empresa vem conduzindo desde 2010, e que vem contribuindo para enriquecer a cobertura florestal em municípios onde desenvolve suas atividades. Já são mais de 12 mil hectares de áreas em restauração implantadas em 9 municípios da Bahia e dois de Minas Gerais. Foram plantadas nessas áreas mais de 6,2 milhões de mudas de espécies nativas, além de ser realizada a condução da regeneração natural em áreas com potencial de autorregeneração e o controle de espécies invasoras em áreas de vegetação nativa com invasão biológica.

A restauração ambiental contribui para oferecer maior biodiversidade e gerar diversos serviços, entre eles a disponibilização de água, regulação do clima, controle de erosão, pragas e doenças. “O processo de restauração gera, ainda, oportunidade de renda e emprego, pois movimenta uma cadeia que inclui atividades como a produção de mudas de espécies nativas, o plantio, atividades de manutenção e monitoramento das áreas contempladas”, observa Guilherme Moro Neto, analista de Meio Ambiente Florestal da Suzano.

As mudas são adquiridas de viveiros comerciais e de dois viveiros comunitários localizados em Ibirapuã (BA) e Conceição da Barra (ES), e do viveiro social Meninos da Terra, em Linhares (ES). A execução do trabalho envolve prestadores de serviços contratados pela Suzano, atualmente 88 trabalhadores atuam na atividade. Além disso, há equipes de técnicos e supervisores de campo, totalizando 7 pessoas, que usam tecnologias como drone e aplicativos de navegação para realizar o planejamento das metodologias de restauração e o monitoramento das áreas, determinando a intervenção necessária para cada local. A empresa também mantém acordos com universidades, instituições governamentais, clientes e ONGs, como a The Nature Conservancy (TNC), buscando aperfeiçoar os métodos de restauração e otimizar os recursos destinados ao programa.

 

Áreas em restauração – Na Bahia e em Minas Gerais, os 12 mil hectares em processo de restauração até o final do mês de abril deste ano contemplam os municípios de Alcobaça, Caravelas, Ibirapuã, Lajedão, Mucuri, Nova Viçosa, Prado, Teixeira de Freitas e Vereda (BA), Carlos Chagas e Nanuque (MG). A empresa conta ainda com outros 6,7 mil hectares em processo de restauração em municípios do Espírito Santo, totalizando 18,7 mil hectares.

A Suzano utiliza diferentes técnicas no processo de restauração ambiental. Uma delas é o plantio manual de mudas em áreas de pasto onde a regeneração natural é insatisfatória ou média. Geralmente são utilizadas mudas de espécies que têm alta taxa de sobrevivência, crescimento rápido e boa cobertura de copa, proporcionando o rápido fechamento da área plantada. Outra técnica empregada é a condução da regeneração natural, em que são realizadas atividades de restauração como capinas e controle de formiga em locais em que a sucessão ecológica já está acontecendo. São áreas que já contam com regenerantes de árvores de espécies nativas em número suficiente, que são preservados e conduzidos para que se desenvolvam e se multipliquem naturalmente.

A empresa realiza, ainda, o controle de espécies exóticas e invasoras em áreas naturais com invasão biológica, controlando a dispersão de árvores que não são nativas da região e se comportam como invasoras, comprometendo a biodiversidade regional. Por fim, também é utilizado o isolamento, técnica que consiste na restauração por meio da sucessão ecológica, sem necessidade de emprego de métodos de condução da regeneração, pelo fato de não haver fatores de degradação que impeçam o desenvolvimento da regeneração existente na área.

A restauração é um processo que requer constantes pesquisas, parcerias com especialistas e fornecedores especializados a fim de avaliar e aprimorar a eficiência das metodologias empregadas. “A empresa vem testando o uso de ferramentas de sensoriamento remoto, a partir de imagens de satélite, drones e LIDAR (da sigla inglesa Light Detection And Ranging), a fim de detectar parâmetros ecológicos das áreas de restauração e gerar recomendações de manejo, explica Tathiane Sarcinelli, analista de Meio Ambiente Florestal da Suzano.

 

Por: Vida Diária / Ascom

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notácia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.

MercadoSul
CNA
carnesSP
Exata
Lekao
GIL Academia