:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

Quem já não perdeu horas e horas na fila do caixa do banco para fazer uma transação financeira? Se você já perdeu, não deixe de ler este artigo e ficar por dentro dos seus direitos. Hoje resolvi escrever sobre esse absurdo que vem acontecendo nas agências bancárias da nossa cidade e de todo o país, descumprindo as leis e desrespeitando os consumidores.

Em Teixeira de Freitas, por exemplo, existe a Lei Municipal n. 314 de 29 de dezembro de 2003, sancionada pelo prefeito da época, o Sr. Wagner Ramos de Mendonça, a qual define que o tempo máximo de espera para atendimento nos estabelecimentos bancários não poderá ser superior a 30 minutos em dias normais, 45 minutos em vésperas ou após feriados e 30 minutos em dias de pagamentos dos funcionários públicos e recebimentos de tributos municipais, estaduais e federais e de vencimentos de contas de concessionárias de serviços públicos.

A referida lei prevê, inclusive, punições como advertência, multa e suspensão do alvará de funcionamento para os estabelecimentos infratores. Entretanto, não existe uma fiscalização efetiva capaz de coibir a ocorrência do tempo de espera excessivo e muito menos para aplicar as respectivas punições. Ficando, assim, os consumidores reféns das agências bancárias.

Por outro lado, a Justiça de todo o país tem reconhecido que a espera excessiva traz prejuízos ao consumidor, além de ser um desrespeito. Nesta mesma data (15/02/2018), a 1ª Vara dos Juizados Especiais de Teixeira de Freitas condenou o Banco Bradesco a indenizar o autor da ação no importe de R$ 2.000,00, a título de danos morais, por ter esperado 2h30min na fila do caixa para pagar um boleto bancário, ou seja, cinco vezes mais do que o permitido. Da decisão ainda cabe recursos.

De forma muito acertada, a Comarca Teixeirense reconheceu o abuso e garantiu justiça aos seus jurisdicionados. A decisão tem também o caráter pedagógico, isto é, possui a intenção de fazer com o que o estabelecimento bancário tome providências para que este fato não se repita.

Portanto, sempre que enfrentar uma fila em uma instituição bancária não deixe de pedir a “senha de atendimento” com a especificação da hora de chegada, bem como a comprovação da hora do atendimento, eles são obrigados a fornecer. Feito isto, denuncie aos órgãos de fiscalização da prefeitura e/ou procon. Se o interesse for a indenização pelo dano moral, o consumidor deve judicializar a reclamação, ou seja, recorrer ao Poder Judiciário.                     

Advogado Jean Moreira – OAB/BA 46.198

Especialista em Direito do Consumidor e em Direito Administrativo com ênfase em Licitações.

Por: Vida Diária/Jean Moreira.

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notácia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.

COLUNAS Gente de opinião!

Mudar é possível?
Mudar é possível?
Publicado: Terça, 19 Junho 2018 13:48
Dicas de segurança do professor Jamildão - evitando acidentes domésticos (parteII)
Dicas de segurança do professor Jamildão - evitando acidentes domésticos (parteII)
Publicado: Domingo, 10 Junho 2018 15:32
O que está por trás de seu ciúme?
O que está por trás de seu ciúme?
Publicado: Sexta, 08 Junho 2018 09:55
CNA
carnesSP
Exata
Lekao
GIL Academia